Seringais iniciam safra com produtividade e menor preço

Em virtude das constantes chuvas, no interior de São Paulo a sangria dos seringais para a safra 2023/2024 iniciou um pouco antes do previsto. Com isso, é esperada uma produção de, em média, 7,5 kg de látex por cada árvore, número este considerado praticamente o dobro do registrado no ano passado.

Todavia, nem tudo são flores. Conforme falamos em notícias anteriores, o que vem preocupando cada vez mais os produtores é o valor pago pela borracha, cuja queda foi mais de 60% de um ano para cá.

A esperança, nesse sentido, está nas medidas adotadas recentemente pelo Governo Federal de incentivo fiscal, como a política de preço mínimo e o aumento da alíquota de importação de 3,2% para 10,8%, pois na atual conjuntura o preço pago não consegue cobrir nem os custos de produção.

Latex sendo extraído de uma seringueira. Foto: Getty Images

Histórico

Durante o mês de setembro deste ano, foram liberados cerca de R$ 70 milhões capazes de garantir o recebimento de R$ 4,30 por kg de borracha virgem extraída pelos produtores.

Tudo isso porque, o velho problema persiste: o mercado nacional de borracha não consegue competir com o internacional porque este chega no Brasil com um preço inferior ao primeiro. Inclusive, este é um dos principais motivos pelos quais nosso país importa cerca de 60% do total utilizado dessa matéria-prima.

De acordo com o presidente da Apabor (Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha), a crise atual na borracha possui origem no desequilíbrio entre a oferta e a demanda no mundo todo.

Grande produção, pouca mão de obra

Como consequência dos baixos preços pagos pela produção, muitos produtores iniciam a safra com parte da plantação “parada”. Isso porque, faltam recursos para contratar mão de obra especializada na extração e muitos extrativistas acabam deixando o trabalho por questões de remuneração.

Continue ligado aqui no blog da Rubberline e fique por dentro de mais atualizações sobre o mercado da borracha no Brasil e como os produtores vêm enfrentando a crise nestes últimos tempos!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *