Projeto Marajó Sustentável revigora produção de borracha natural na Amazônia

A exploração do látex da seringueira para produção de borracha natural impulsionou a economia da Amazônia em décadas passadas, mas enfrentou desafios devido à concorrência asiática. O projeto Marajó Sustentável busca revitalizar os seringais nativos, impulsionando o desenvolvimento social no arquipélago.

Com a participação de várias entidades, como a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), secretarias municipais de agricultura, Banco da Amazônia (Basa) e sindicatos, foi elaborada uma programação para viabilizar crédito aos beneficiários do projeto.

O Marajó Sustentável, sob a coordenação do Polo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais (Poloprobio), atende duas mil famílias em Portel e 3.320 em Melgaço e Anajás. Além disso, mantém uma fábrica em Castanhal, chamada Seringó, que produz calçados com borracha natural dos seringais marajoaras.

Projeto Marajó Sustentável revigora produção de borracha natural na Amazônia

Tênis fabricado com borracha oriunda de municípios do Marajó. Foto: Mateus Costa – Ascom Sedap

Kit seringueiro para extração de látex destinado à produção de borracha natural

Uma das ações do projeto é a distribuição do “kit seringueiro”, composto por faca para sangria, canecas de plástico, bicas, coagulante e água sanitária, para extração do látex, matéria-prima dos calçados. A tecnologia utilizada foi desenvolvida por Francisco Samonek, ecologista e fundador do Poloprobio, em parceria com indígenas e seringueiros do Acre.

Iniciativa vai beneficiar mais de 10 mil famílias

Segundo Samonek, a iniciativa na região já dura mais de 10 anos e busca expandir devido ao mercado em crescimento e à necessidade de sustentabilidade. A visita técnica da Emater e do Banco da Amazônia é fundamental para construir uma proposta de desenvolvimento para o Marajó.

A ampliação da assistência técnica e linhas de crédito beneficiará os extrativistas de forma sustentável, com a expectativa de beneficiar 10 mil famílias em todas as etapas da produção. O titular da Sedap, Giovanni Queiroz, destaca a importância do projeto na conservação da floresta e na oferta de produtos diferenciados no mercado, provenientes dos ribeirinhos do Marajó.

Para mais notícias e conteúdos sobre borracha natural, acesse o blog da Rubberline.

Com informações da Agência Pará.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *