Plantação de borracha diminui florestas tropicais

Para dar lugar à plantação de borracha, desde a década de 1990 até os dias atuais, estima-se que foram desmatados cerca de 4 milhões de hectares de árvores, sendo 25% deste total em locais estratégicos de biodiversidade, em ecossistemas terrestres, de água doce e marinhos.

Tais dados são extraídos de um levantamento feito recentemente pela Nature, que mapeou plantações de seringueiras existentes no sudeste da Ásia. Os resultados, todavia, superaram negativamente as estimativas sobre a perda de florestas tropicais no mundo todo.

Por dentro da pesquisa

Após um estudo com mais de 100 casos, foi apontado que muitas das plantações de borracha substituíram as florestas naturais e tipos de plantações e sistemas agrícolas.

Além disso, o levantamento apontou uma forte tendência de expansão na plantação de borracha em número de hectares nos países produtores desta matéria-prima, juntamente com rendimentos estáticos ou em declínio.

Inclusive, os rendimentos abaixo do esperado ocorrem devido aos países cujos preços de extração são mais baixos terem um menor nível de extração. Assim, conforme o estoque dos mesmos forem acabando, o valor pode subir novamente, incentivando um maior nível de extração.

Foto: Getty Images via Canva

A extração de borracha pelo mundo

No continente asiático, o Camboja revela uma questão preocupante: cerca de 40% da plantação de seringueiras estão diretamente situadas em regiões de desmatamento e protegidas ambientalmente.

Isso acontece, porque boa parte da extração da borracha na Ásia é feita por pequenos agricultores em, no máximo, cinco hectares de terra.

Por outro lado, a Costa do Marfim, na África, revela ser um país onde o cultivo da seringueira possui forte tendência de expansão. Inclusive, plantações de cacau e outras culturas da região devem se deslocar a fim de ceder lugar à borracha.

A questão ambiental

De olho nas questões ambientais, a União Europeia promulgou em junho deste ano um novo regulamento capaz de reduzir o impacto do mercado local no desmatamento. Tal legislação abrange diversas culturas produtivas, sendo uma delas, a borracha.

Assim sendo, somente se os fornecedores comprovarem que os produtos foram obtidos em terras desmatadas antes de dezembro de 2020, será possível vender tais produtos dessas commodities.

Todavia, a nova regulamentação aumenta o risco de marginalizar pequenos produtores de borracha. Até porque, muitos deles acabam desconhecendo tais normas e podem ter complicações na hora de comprovar a documentação de posse da terra anterior à 2020.

Por outro lado, o novo regulamento da União Europeia serve como um incentivo de oportunidades capazes de ajudar os pequenos produtores a aprimorarem suas técnicas de produção de borracha a partir das seringueiras.

O futuro das plantações de borracha no mundo

Por fim, o futuro das plantações de borrachas no mundo é expandir seu cultivo, uma vez que a matéria-prima está sendo cada vez mais usada na produção de diversos artefatos, como pneus de aviões, caminhões e automóveis.

Diante desse cenário, um outro levantamento de julho deste ano apontou que será preciso expandir entre 2,7 e 5,3 milhões de hectares dessa commodity até o fim de 2030, visando atender as demandas do mercado mundial.

Tal dado, importante ressaltar, é preocupante, pois, mesmo com as recentes regulamentações da União Europeia, os desmatamentos de florestas nativas tendem a aumentar, principalmente em países subdesenvolvidos e emergentes.

Para mais informações e atualizações sobre o cultivo da borracha, continue ligado aqui no blog da Rubberline!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *